Criada por Samuel Hahnemann (1755-1843), a homeopatia (hómoios + páthos = "semalhante" + "doença") se baseia no princípio similia similibus curantur ("semelhante pelo semelhante se cura").

A homeopatia reconhece os sintomas como uma reação contra a doença, que por sua vez é entendida como uma perturbação da energia vital. A homeopatia atua no restabelecimento de seu equilíbrio, sendo o segundo sistema de tratamento médico mais utilizado no mundo.

De fato, o tratamento homeopático consiste em fornecer a um paciente sintomático, doses extremamente diluídas de compostos potencializados através de técnicas de diluição, dinamização e sucção que liberam energia. Desse modo, o sistema de cura natural da pessoa seria estimulado a estabelecer uma reação de restauração da saúde por suas próprias forças.

Desde 1978, e conforme reforçado pelo documento Estratégia da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre medicina tradicional 2002-2005, a OMS estimula a adoção da homeopatia, em conjunto com a medicina oficial, como uma das práticas alternativas a ser implantada em todos os sistemas de saúde do mundo. No Brasil, é considerada como especialidade médica desde 1980, reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, tendo sido incluída no Sistema Único de Saúde (SUS) desde 2006. Reino Unido, França e Alemanha também usam a homeopatia em seus sistemas de saúde pública.